“ORORA”- O humor no samba de Gordurinha

Uma mulher (“bonitona, bem feita de corpo e cheia da nota”) tem uma grande letra “O” bordada na blusa… tem a ver com seu nome.

Blog de musicaemprosa : Música em Prosa, Orora - O humor no samba de Gordurinha

Qual seria seu nome? Olga, Odete, Ofélia?

Aí a mulher responde: É “Orora”….

Com essa tirada bem-humorada Gordurinha faz uma piada com as mulheres que não sabem ler, escrever ou falar direito.

Essa mulher, a “Orora” escreve gato com “j”, sauidade com “c”, fala “arioprano” e “motocicreta”.

Essa canção revela algumas coisas… primeiro, como o humor anda sumido da música brasileira. Esse traço, característicos dos sambas e marchinhas de carnaval, não tem sido visto com frequencia…

Revela, também, como determinadas pessoas podem ser verdadeiras poesias – desde que de boca fechada. Não é incomum que alguém extremamente sexy e interresante faça desaparecer todo o interesse quando abre a boca.

Blog de musicaemprosa : Música em Prosa, Orora - O humor no samba de Gordurinha

Assim, a pitada de humor de Gordurinha – nome artístico de Waldeck Artur de Macedo, que tinha esse apelido, na verdade, pelo fato de ser muito magro – acaba por divertir e fazer sorrir…

A letra

Eu arrumei uma dona boa lá em Cascadura
Que boa criatura mas não sabe ler
E nem tão pouco escrever
Ela é bonitona, bem feita de corpo
É cheia da nota
Mas escreve gato com “j”
E escreve saudade com “c”
Ela disse outro dia que estava doente
Sofrendo do “estambo”
Levei um tombo… Cai durinho pra trás
Isso assim já e demais
Ela fala “aribu”, “arioprano” e “motocicreta”.
Diz que adora feijoada “compreta”.
Ela é errada demais!
Viu uma letra “O” bordada na blusa
Eu disse é agora
Perguntei seu nome ela disse Orora
E sou filha do Arineu
Mas o azar é todo meu

Have You ever seen the rain

O Grupo Credence Clearwater Revival (nome esquisito para uma banda – a história vem em outra postagem) notabilizou-se sobretudo pela canção – Clássica até hoje, mais de 40 anos depois, “Have You ever seen the rain“. A canção, um country rock gravado em 1971, no album Pendulum. 

A canção, que revela uma certa tristeza na expectativa de calmaria após a tempestade, foi feita por John Fogerty (vocalista e guitarrista), quando seu irmão mais velho e guitarrista da banda, Tom Fogerty, estava prestes a deixar a banda para seguir carreira solo, justo quando a banda estava no auge.

Numa entrevista, Fogerty afirmou que a canção foi escrita sobre o fato de que a banda estava no topo das paradas, tendo superado todos os seus sonhos mais loucos e suas mais exigentes expectativas de fama e fortuna. Eles eram ricos e famosos, mas de alguma forma todos os membros da banda na época estavam deprimidos e infelizes.

Assim, a linha de “Você já viu a chuva, caindo em um dia ensolarado”. A letra faz referências às tempestades vindas antes da calmaria, e as referências ao sol que esfria e a chuva que aquece, enfim, as contradições de algo que parece ser em princípio ter tudo para ser feliz e que termina desaguando em tristeza.

Por isso mesmo, mesmo que o dia estivesse ensolarado para a banda, internamente seus membros estavam chovendo.

Em 2012, quando apresentava um show no Arizona, John Fogerty afirmou que o significado desta música mudou para ele ao longo do tempo. Ele disse que a canção canção foi originalmente escrita sobre uma coisa muito triste que estava acontecendo na sua, mas que ele se recusava a ficar triste naquele momento, pois agora essa música me lembra da sua filha, Kelsey, e cada vez que ele a cantava, pensava sobre Kelsey e arco-íris. ”

Fogerty acrescentou que este é a sua música favorita de todos os tempos… .