Acabou chorare – A canção título

De uma abelhinha pousando na mão de Galvão à mistura de línguas de Bebel Gilberto, nasceu uma das obras primas dos Novos Baianos, parceria Moraes/Galvão. Acabou Chorare.

O álbum Acabou chorare é a obra-prima dos Novos Baianos, escolhida pela Revista Rolling Stone, não por acaso, como o melhor disco brasileiro de todos os tempos.

Os Novos Baianos, no começo da década de 70, era um grupo de rock, Hippie, inspirado em Jimmy Hendrix e no Tropicalismo. Mas tudo mudou quando o grupo  conheceu João Gilberto e se reinventou com o samba. João era amigo de infância e conterrâneo (Juazeiro-BA) do principal letrista do Grupo, Luiz Galvão.

Imagem relacionada

Quando João foi visitar o grupo no apartamento em que todos compartilhavam em Botafogo, os Novos Baianos eram roqueiros, elétricos, quando João plantou a semente do samba no grupo (aliás, o encontro de João com os Novos Baianos merece uma postagem autônoma).

Surgiu daí, sob a influência de João Gilberto, o álbum que mudou a história da Música:Acabou Chorare.

A canção título do álbum é absolutamente joãogilbertiana. Apenas com o violão de Moraes, a música começa com as firulas vocais, e parece uma canção de ninar, com o bu-bu-li-lindo uma música feita “de manhã cedinho”, as onomatopéias da abelhinha fazendo “zum zum e mel” e o “suave mé” do carneirinho

O título da música se deve a uma expressão utilizada, na época, por Bebel Gilberto, filha de João Gilberto e Miúcha. Ela, bem pequena, costumava misturar português e espanhol, por causa de uma temporada em que ela vivia no México.

Bebel teria tomado um tombo, e quando João e Miúcha foram acudi-la, e quando viu os mais velhos em volta, aflitos para saber se ela tinha se machucado, ela teria dito: “Acabou chorare, papai”.

Resultado de imagem para acabou chorare bebel gilberto

Mas o título veio depois de um episódio que Galvão, autor da letra, conta no blog https://osnovosbaianos.wordpress.com

…uma abelha, que a imagino sobre natural, pra ser capaz de voar alto ao ponto de chegar ao quarto andar daquele apartamento de cobertura e entrar no meu quarto, vindo em meu socorro. Encantado em movimento automático estendi-lhe a mão direita e ela sentou na palma no centro do EME.

 Depois de uma respirada de alívio Eu brinquei com ele dizendo: “Não fique triste Barbudo que ela também pousa em você.” Dito isso a abelha sentou no seu rosto. O Barbudo deu uma risada mostrando uma satisfação que beirava êxtase. Eu falei: “É que sua mãe botou néctar no seu rosto, você é uma flor Barbudo, e não fique com inveja que ela senta em você também ”. Ele, na maior ingenuidade, falou: “Vamos dar açúcar para ela”. A abelha parece que ouviu e desapareceu pelas frestas da janela….

Imagem relacionada

À noite fui ao Leblon no apartamento de Ronaldo Duarte, para convidá-lo para ser o fotógrafo câmara do filme. Ele aceitou e resolveu mudar-se com sua companheira Sosó que era filha do grande artista plástico argentino/baiano Caribé. (…) Eu nem tinha esquentado o sofá e a abelhinha que fizera amizade comigo na madrugada daquele dia, voltou a sentar na minha mão. Falei: Essa abelha já esteve comigo hoje lá em Botafogo. As pessoas presentes espantaram-se achando que eu estava doido.

É por acreditar Ipsis Litteris* nessa versão, que fiz a letra da música Acabou Chorare, na qual consegui uma linguagem poética angelical. É o que sinto dizerem, sem abrir a boca, as crianças e os adultos com corações meninos.

Alguém pode até argumentar que era outra abelha, mas vai ficar falando sozinho porque a minha relação com esse insetozinho do bem e reservado ao máximo é profunda ao ponto de até hoje elas, as abelhas sentarem na minha mão e no meu rosto, deixando os presentes assustados. E na maior tranquilidade não permito que as espantem. Quando isso acontece acredito ser sinal de boa sorte naquele dia.

Imagem relacionada

Telefonei para João Gilberto contando que estava fazendo uma letra sobre essa relação com a abelhinha. João disse: “Puxa Luizinho! ( É assim que ele me chama) Eu estava falando com o poeta Capinan e ele lembrava que a abelha beija a flor e faz o mel, e eu gostei e completei: ‘E ainda faz zun-zun”. Perguntei a João: “Posso usar isso?” E ele aprovou dizendo: “Deve”.

Não parou por aí, João contou-me que sua filha Bebel Gilberto, nascera no Brasil e pequena ainda morara nos Estados Unidos, e logo se mudara para o México. Ali naquele país a menina levara uma pancada, e ele, João, preocupado, com a aflição de pai nessas horas, foi acudi-la, mas Bebel reagira corajosamente e, na sua inocência de criança, falando uma língua em formação, o acalmou assim: “Não! Não! Acabou Chorare”. E deu uma risadinha escondendo a dor. Escrevi a letra pronta mostrei a Moraes que colocou a música na hora

Foi a inspiração para que os Novos Baianos fizessem sua “canção bossa nova”. Bebel Gilberto chegou a gravar, junto com Carlinhos Brown, em 2009, a música feita em sua homenagem. Mas desentendimentos com produtora Paula Lavigne fizeram com que a canção ficasse fora do seu novo álbum “all in one”.  Mas ela acabou gravando na compilação “Red Hot + Rio 2”

Novos Baianos, João Gilberto, bossa-nova e o melhor da música brasileira.

Acabou chorare, ficou tudo lindo
De manhã cedinho, tudo cá cá cá, na fé fé fé
No bu bu li li, no bu bu li lindo
No bu bu bulindo
No bu bu bulindo
No bu bu bulindo

Talvez pelo buraquinho, invadiu-me a casa, me acordou na cama
Tomou o meu coração e sentou na minha mão

Abelha, abelhinha…

Acabou chorare, faz zunzum pra eu ver, faz zunzum pra mim

Abelho, abelhinho escondido faz bonito, faz zunzum e mel
Faz zum zum e mel
Faz zum zum e mel

Inda de lambuja tem o carneirinho, presente na boca
Acordando toda gente, tão suave mé, que suavemente
Inda de lambuja tem o carneirinho, presente na boca
Acordando toda gente, tão suave mé, que suavemente

Abelha, carneirinho…

Acabou chorare no meio do mundo
Respirei eu fundo, foi-se tudo pra escanteio
Vi o sapo na lagoa, entre nessa que é boa

Fiz zunzum e pronto
Fiz zum zum e pronto
Fiz zum zum

Fontes: GALVÃO, Luís: Anos 70: Novos e baianos. São Paulo: Editora 34, 1997; MOREIRA, Moraes. A história dos Novos Baianos e outros versos. Rio de Janeiro: Língua Geral Editora, 2007;

https://osnovosbaianos.wordpress.com/2011/08/02/acabou-chorare-a-verdadeira-historia/

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u637721.shtml

quinta 24 junho 2010 10:04 , em MPB

Anúncios

As mulheres e suas canções – Lígia

Lígia é uma das mais belas composições de Tom Jobim. Eu a conheci (a música, não a musa) no disco Sinal Fechado, que Chico Buarque gravou em 1974 interpretando outros cantores, devido à dificuldade de aprovação de suas músicas pela censura federal, na época da ditadura

No entanto, a letra que foi gravada por Chico Buarque tem alguns “toques”, distintos da versão original, composta em 1972. Nas duas versões, há o relato de uma história que não aconteceu, uma “não-história”, na primeira versão, o eu-lírico nunca ligou porque “sabia” e “jamais ousaria”; na segunda, ligou e foi engano, esquecendo no piano as bobagens que iria dizer

Na primeira versão, o sujeito diz que não se apaixonou, mas fatalmente que sentiria tanta dor  “pra depois te perder”. Na que foi gravada por Chico, confessa-se a paixão, mas que se revela uma ilusão, decorrentes de mentiras de amor…  A primeira versão fala de ilusão; a segunda, de desilusão.

Na última estrofe das duas versões, a rendição. As letras são diferentes, mas ambas dizem sim aos olhos castanhos/morenos que metem “mais medo que um raio de sol”.

A título de curiosidade, na revista Maria Claire 16 de novembro de 2000, achou-se a musa das canções. Segue o link para a matéria, com o trecho transcrito abaixo:

http://marieclaire.globo.com/edic/ed116/rep_inspiracao2.htm

 
“Os olhos verdes da carioca Lygia Marina de Moraes são morenos na letra de “Lígia”. Um disfarce da identidade da musa e da atração de Tom Jobim por ela. Tom e Lygia, professora de pré-primário de uma das filhas do compositor, se conheceram em 1968, no bar Veloso, em Ipanema. Nunca houve nada entre os dois, mas aquele encontro daria origem ao samba-canção gravado por Chico Buarque no LP “Sinal Fechado”, em 1974. “O Tom vivia de olho nela”, diz o jornalista Ruy Castro, que registrou o episódio no livro “Ela é Carioca” (Cia. das Letras).

Por muitos anos Tom negou que Lygia fosse sua musa, em respeito ao amigo Fernando Sabino, marido dela na época. Só em 1994, quando o casal se separou, ele admitiu a inspiração aos amigos. Hoje, aos 54 anos, Lygia mora sozinha e dirige o departamento cultural da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Ela recorda com orgulho os detalhes de seu caso jamais consumado com Tom Jobim.

Resultado de imagem para lígia tom jobim

Lygia Marina de Moraes “Conheci o Tom em uma tarde chuvosa. O bar Veloso estava vazio, era junho e fazia frio. Eu e uma amiga, Cecília, nos sentamos na varanda e vimos o Tom conversando com Paulo Góes [fotógrafo]. Os dois acabaram se sentando na nossa mesa. Quando contei ao Tom que era professora da sua filha Beth, ele teve um ataque de riso e disse: ‘É a primeira vez que paquera vira reunião de pais e mestres!’. E eu babando: imagine, em 68, Tom era um dos homens mais lindos do Brasil.

Ele tinha que dar uma entrevista a Clarice Lispector para a ‘Manchete’, e convidou a mim e a Cecília para ir com ele. Fomos no fusquinha azul-claro do Tom. Eu usava uma saia de lã e um suéter de cashmere. Ao abrir a porta, Clarice fez cara de mau humor. Tom, abraçado comigo e com Cecília, disse: ‘Trouxe minhas amigas’. Ela ficou mais furiosa quando pediu a Tom que fizesse um poema para ela, como Vinícius [de Moraes] teria feito em entrevista anterior, e ele disse: ‘Não sou poeta, se tivesse um violão…’.

Mas aí pegou um bloco de papel-jornal e escreveu um poema para mim, que guardo até hoje: ‘Teus olhos verdes são maiores que o mar/ Se um dia eu fosse tão forte quanto você/ Eu te desprezaria e viveria no espaço/ Ou talvez então eu te amasse/ Ai que saudades me dá/ Da vida que eu nunca tive’, e assinou: A.C.J.

Imagem relacionada

Saindo de lá, Tom me levou em casa. Nos despedimos no carro, com um beijinho no rosto. Fiquei nervosíssima, mas parou ali. Tom era casado… Aquela carona foi nosso único encontro a sós. A música fala de tudo o que não aconteceu: o cinema, o passeio na praia… Depois nos encontramos muitas vezes, mas sempre em grupo. Logo me casei com o cineasta Fernando Amaral e entrei para a turma. Vivi o auge de Ipanema.

Após quatro anos de casada e um filho, me separei. Depois me casei com o escritor Fernando Sabino. Em 1973, acho que Tom não sabia que eu estava casada com ele, e ligou para o Fernando pedindo meu telefone. Meu marido fez uma sacanagem: deu um número errado. Em seguida, ligou para o telefone que tinha dado e avisou: ‘O Tom Jobim vai ligar aí procurando uma Lígia, mas o telefone é tal’, e deu outro número errado. Os amigos ficaram sabendo dessa história, inclusive o Tom. Talvez daí tenha surgido a frase na música que fala do telefonema que foi engano.

Resultado de imagem para lígia tom jobim marie claire

Estava sozinha em casa quando ouvi no rádio o Chico cantando ‘Lígia’, pela primeira vez. Fui correndo comprar o disco. Na hora, me vi na letra. Ser homenageada já é maravilhoso, ainda mais pelo Tom, com uma música linda e sofisticada… É uma glória. Claro que a música rendeu comentários e Fernando ficou uma fera. Durante os 19 anos em que fui casada, Tom evitou o tema. Estivemos juntos em vários lugares, tipo réveillon na casa de Jorge Amado, eu com Fernando e Tom com Ana, sua segunda mulher. Mas ninguém falava nisso.

Um dia, Tom me encontrou por acaso na Cobal [sacolão e ponto de encontro] e falou: ‘Está chegando minha musa!’. Foi a primeira vez que admitiu para mim. Até hoje, em cada boteco que entro tocam ‘Lígia’. Faz parte do meu show. Fiquei imortal. Tenho quase todas as gravações de ‘Lígia’. Existe até uma versão do João Gilberto em que, ao contrário da oficial, o romance acontece e Tom até se casa comigo. As pessoas me cobram o fato de nunca ter acontecido nada entre a gente. Mas será que não foi melhor ter ficado essa fantasia? Talvez tivesse de ser essa a história: eu virar musa, entrar em um restaurante e me lembrar do Tom, cheio de charme”.

 

L Í G I A

1a. versão (João Gilberto)

Eu nunca sonhei com você
Nunca fui ao cinema
Não gosto de samba
Não vou a Ipanema
Não gosto de chuva
Nem gosto de sol
Eu nunca te telefonei
Para que se eu sabia
Eu jamais tentei
E jamais ousaria
As bobagens de amor
Que aprendi com você
Não, Lígia, Lígia

Sair com você de mãos dadas
Na tarde serena
Um chope gelado
Num bar de Ipanema
Andar pela praia até o Leblon
Eu nunca me apaixonei
Eu jamais poderia
Casar com você
Fatalmente eu iria
Sofrer tanta dor
Pra no fim te perder
Lígia, Lígia.

Você se aproxima de mim
Com esses modos estranhos
E eu digo que sim
Mas seus olhos castanhos
Me metem mais medo
Que um raio de sol
Lígia, Lígia.

2a. versão, com alguns 
toques de Chico BuarqueEu nunca sonhei com você
Nunca fui ao cinema
Não gosto de samba
Não vou a Ipanema
Não gosto de chuva
Nem gosto de sol
E quando eu lhe telefonei
Desliguei, foi engano
O seu nome eu não sei
Esqueci no piano
As bobagens de amor
Que eu iria dizer
Não, Ligia, Ligia

Eu nunca quis tê-la ao meu lado
Num fim de semana
Um chope gelado
Em Copacabana
Andar pela praia até o Leblon
E quando eu me apaixonei
Não passou de ilusão
O seu nome rasguei
Fiz um samba-canção
Das mentiras de amor
Que aprendi com você
Ligia, Ligia

E quando você me envolver
Nos seus braços serenos
Eu vou me render
Mas seus olhos morenos
Me metem mais medo
Que um raio de sol
Ligia, Ligia

 

 

 

quinta 20 maio 2010 07:17 , em Mulheres e suas canções

Mark Davis – Sabe quem é?????

Há um cantor bem conhecido do público, que faz ainda hoje muito sucesso entre as mulheres, que muitos poucos sabem, começou sua carreira cantando em inglês, como era muito comum no começo da década de 70, quando muitos cantores brasileiros gravavam e cantavam em inglês. Estou falando de Mark Davis, mais conhecido como…. melhor não dizer ainda… vamos dar algumas pistas…

Esse Cantor começou desde cedo, na década de 60, chegou a fazer vocais nos discos de Ronnie Von no final da década de 60, e chegou a fazer parte de uma banda chamada Uncle Jack, que cantava em inglês, até o ponto de se transformar em Mark Davis, um cantor que não sabia falar nada em inglês, mas cantava músicas em inglês.

Resultado de imagem para mark davis fabio jr

O tal cantor, dando uma entrevista já com seu nome original no sítio http://www.jovemguarda.com.br, revelou que compunha as músicas num estilo completamente “meia-boca”, do tipo, com um dicionário em inglês debaixo do braço, viam palavras que rimavam umas com as outras, e daí saíam as letras.

Numa dessas, saiu o maior hit de Mark Davis: “Don´t let me cry”, música que segue no video acima. Dá para reconhecer pela voz??? Prestem atenção…

A música fez sucesso e saiu o disco abaixo:

01 – I Need You Forever
02 – Rain and Memories
03 – Don’t Let Me Cry
04 – Aria For the Lovers
05 – It’s Time For Us
06 – Take it Easy
07 – Open the Window
08 – I Want to Be Free Again
09 – Lady
10 – Please Girl Don’t Say Goodbye

Imagem relacionada

E não é que o sujeito começou a fazer sucesso cantando em inglês? Ele disse: “… e a gravadora começou a pressionar, para que eu fizesse divulgação: “O Mark davis não vai aparecer?”

Ele recusou-se, pois ele já compunha música em português e já queria ser conhecido por seu nome verdadeiro e por suas canções em português.

Embora a gravadora insistisse que ele continuasse gravando em inglês como Mark Davis, ele acabou insistindo, até que, enfim, gravou um disco com seu verdadeiro nome, e com seu cabelo grande….

Será que por essa foto dá para reconhecer?

Talvez não. Mas o rapaz começou a fazer sucesso como ator.  Sua estreia se deu na novela Nina, mas começou a unir as atividades de ator e cantor num Caso Especial da Rede Globo  chamado “Ciranda Cirandinha”, que se tornou série. E no episódio“Toma que o Filho é Teu”, lançou a música “Pai”, que inspirou a novela Pai Herói, de Janete Clair, em 1979. É claro que estou falando que Mark Davis é Fábio Correa Ayrosa Galvão, Mais conhecido como Fábio Júnior!!!!

 

http://www.jovemguarda.com.br/entrevista-fabiojr.php

Publicado originalmente em maio de 2010 no http://www.musicaemprosa.musicblog.com.br em julho de 2010