10 canções de pai para filho

Certamente o amor é a maior inspiração para as canções. Mas nem sempre o amor por uma mulher ou por um homem. Há muitas canções feitas para os filhos que chegaram, ou para aqueles que vão chegar. Se fala muito sobre a expectativa da maternidade, a gravidez… mas se fala muito menos da paternidade, o pai que amiúde é colocado (ou às vezes ele mesmo se coloca) como coadjuvante no processo de criação de um filho.

Resolvi então pesquisar músicas feitas de pais para seus filhos, como uma forma de traduzir o sentimento que a paternidade manifesta. Trata-se de uma lista de homenagens aos filhos, nesse dia dos pais que chega…  Através das homenagens aos filhos, homenageio aos pais.

 

  1. Acalanto (de Dorival Caymmi para Nana Caymmi) “Dorme, anjo, papai vai te ninar

Resultado de imagem para dorival e nanaDorival e Nana Caymmi

2. Boas Vindas (de Caetano Veloso para Zeca) “Lhe damos as boas vindas, venha conhecer a vida

André Muzell/AG.  NewsCaetano e Zeca Veloso

 

3. Espatódea (de Nando Reis para Zoé) “Não sei se o mundo é bom, mas esle está melhor, desde que você chegou” 

Resultado de imagem para nando reis e zoéNando Reis e Zoé

4. Ao que vai chegar (de Toquinho para Pedro)“Vai onde a aurora mora e acorda um lindo dia, colhe a mais bela flor que alguém já viu nascer”

Imagem relacionada

5. Imã (de Ednardo para Gabriel)“Com um pé pisando no tempo e o outro no espaço,e molha a sequidão do meu rosto de pedra”

Resultado de imagem para ednardo e seu filho

6. Hora do banho (de Jair Oliveira para Isabela)“É, lá na banheira, é sempre a maior brincadeira, enquanto o papai me segura, mamãe me lava com doçura e me faz relaxar”

Imagem relacionadaJair Oliveira e Isabela

7. Meu filho que deus te proteja (de Paulo Sérgio para Rodrigo)“Quero ver você feliz, meu filhinho,que é tudo o que eu quis”

Resultado de imagem para paulo sérgio RodrigoPaulo Sérgio e Rodrigo

8. Manuel, o audaz (de Toninho Horta para Manuel)“E no ar livre, corpo livre, aprender ou mais tentar”

Resultado de imagem para Toninho Horta ManuelManuel e Toninho Horta

9. Davilicença (de Moraes Moreira para Davi)“O tom é dó maior menino segue o tino, o tino destino, destino do som”

Resultado de imagem para moraes moreira e davi moraes

10. Ararinha (de Carlinhos Brown para Clara)“Ela é minha cara, ela e jóia rara, ela é linda, ararinha é o meu amor”

 

Resultado de imagem para carlinhos brown e clara

Percebe-se, nas letras, a admiração, a ternura, a felicidade de se ter um filho, ou que já veio, ou que vai chegar, a alegria do filho descobrindo o mundo, o narcisismo de ver o filho seguindo seus caminhos, a esperança da chegada do filho que vai nascer, ou até o medo de que nada de mal lhe aconteça. Enfim, são cações de amor…

Jardim da fantasia: A lenda de que haveria sido composta para uma noiva que morreu

No filme “O homem que matou o facínora” estrelado por John Wayne e dirigido por John Ford, há uma frase que se tornou clássica: “quando o fato fica maior que a lenda publique a lenda“.

Resultado de imagem para homem que matou o facínora

Jardim da fantasia, de Paulinho Pedra Azul, gravada em 1973, é uma das canções em que, vez ou outra, escuto uma versão de que se tornou muitas vezes maior do que sua verdadeira história. Reza a lenda que Paulinho compôs a música para sua ex-noiva, que teria morrido num acidente.

Ainda segundo a lenda, a imagem derradeira que o compositor teria de sua noiva era na ocasião do acidente, com sangue escorrendo no canto de sua boca. Como não seria deste modo que ele gostaria de preservar a lembrança, ele compôs a música para ela.

Resultado de imagem para Paulinho Pedra Azul jardim da fantasia

Logo, no trecho que diz “tua boca pingava mel”, era uma referência ao sangue que escorria da boca.

Em outro momento, quando a letra trata Outra de voar para o céu azul e pela estrada do além em busca da amada, em cujo lugar ele não sabia onde estava, então pergunta “onde estará meu bem?”.

Paulinho Pedra Azul esclarece, no livro “Então, foi assim?”, de Ruy Godinho a verdadeira história da canção e como a lenda o persegue (ah, e a letra também não tem nenhuma relação com o pássaro bem-te-vi) :

 

“Jardim da Fantasia foi uma das primeira músicas que eu compus. Eu tinha uns 17 anos, por aí… Eu me separei de minha primeira namorada. Ela estava com 12 anos quando nós começamos a namorar e eu tinha uns 15 anos. Depois nós nos separamos porque eu tive que mudar para Vitória, Espírito Santo, para a casa de um tio meu, para estudar o colegial. E nessa viagem de Pedra Azul para Valadares [MG] e de lá pegando o trem para Vitória, eu comecei a compor essa música, Jardim da Fantasia, que apelidaram carinhosamente de “bem-te-vi”. E o bem te vi da música, realmente, não tem nada a ver  com passarinho. É eu vi você andar por um jardim em flor…” explica Paulinho, sem dó nem piedade do imaginário coletivo.

E então ele explica de onde vem a lenda:

E a partir daí começaram a inventar algumas histórias. Disseram que eu tinha feito essa música para uma namorada minha que tinha morrido. E essa música não tem nada de morte, só de vida. Por exemplo: por um jardim em flor… falaram que era o cemitério. E tua boca pingava mel diziam que era sangue pingando da boca de minha noiva. E a música foi feita apenas para uma separação, para dois adolescentes que tiveram dois anos de namoro e se separaram”, diverte-se Paulinho com a criatividade das pessoas”.

Imagem relacionada

A musa ainda hoje está viva. Casou-se com um amigo de Paulinho, teve filhos maravilhosos e são felizes em Pedra Azul, garante ele.

 

Essa música tem muita história. Eu tive um show numa cidade chamada Pouso Alegre, no Sul de Minas. Terminei o Show e eu costumo trocar de blusa suada para depois ir autografar os discos.

Aí teve um cara que incomodou demais. Ele estava empurrando, chorando e o deixaram entrar no camarim. O cara entrou e me abraçou. Eu pensei: ‘ Pô, esse cara deve ter adorado o show’.

Aí, ele falou: ‘Eu passei pelo mesmo problema que você passou. Eu também tive uma noiva que morreu’.

Eu dei um tempo, o abracei, e acariciei e lhe disse: ‘Olha, se minha música fez você lembrar de sua noiva que morreu, tudo bem e tal. Mas eu não tive noiva e nesse música ninguém morreu’.

Ele tornou a me apertar e disse: ‘Eu sei que você não gosta de tocar no assunto’. Aí, eu falei: ‘Não tem jeito’!

 

E não para por aí. Outro episódio muito engraçado aconteceu no interior de Minas Gerais. (…) Um belo dia, uma professora de determinada escola escolheu Jardim da Fantasia para ser interpretada pelas crianças. E ligou convidando Paulinho para ir até lá, que as crianças queriam fazer uma homenagem a ele.

 

“Eu disse: ‘ Vou com o maior prazer’. Cheguei à escola e ela falou que iriam abrir uma porta e teria uma surpresa para mim. Um pátio enorme, a porta se abriu e eu entrei. O que eu vi? Umas cento e cinquenta crianças, cada uma com um bem-te-vizinho nos dedinhos, levantando e descendo, cantando: ‘Bem-te-vi, bem-te-vi, andar por um jardim em flor’…

Eu achei  aquilo maravilhoso. Mas por outro lado aquilo me incomodou e eu falei para a professora: ‘Olha, está tudo lindo, maravilhoso, mas o bem te vi aí da música não é do passarinho, não. É o mesmo que eu te olhei, bem que eu vi você andar por um jardim em flor’…

A professora se assustou e me falou quase em pânico: ‘PelamordeDeus! Jamais revele isso para essas crianças! Há três meses que elas estão recortando os bem-te-vis só pra cantar pra você!

Paulinho Pedra Azul gravou Jardim da Fantasia, no primeiro LP dele, homônimo(1982).