Se o caso é chorar. A Música de Tom Zé que é toda Plágio

Se o caso é chorar, uma bela música de Tom Zé, na verdade, é uma colagem de plágios. O próprio Tom Zé conta a história numa entrevista:

Aliás, essa música é toda plágio. É até bom aproveitar a oportunidade para contar pra vocês o lado avesso da história. Essa música fez sucesso, foi primeiro lugar na parada de sucesso no Brasil durante meia dúzia de semanas, durante um ano quase inteiro, em 1973, e essa música é toda plágio. A ideia de fazer uma canção toda plágio nasceu por causa de uma canção anterior, de que as pessoas de minha idade também se lembram, que é aquela
valsinha que dizia assim:

Passo a passo, braço a braço
Um sorriso, um silêncio
Sete horas, oito dias
Dezenove, vim te ver

— Essa música ganhou num festival da Hebe Camargo o primeiro lugar. E aí saiu no Estadinho [Jornal da Tarde, irmão mais novo do Estadão] na seção “O Leitor Escreve”, tava escrito lá: “A música de Tom Zé ´Silêncio de Nós Dois´ é plágio do Garcia Lorca na página tal qual…”. Eu disse, vala-me Nossa Senhora, corremo lá pra casa, pegamos o Garcia Lorca, fomos lá na página e hum… tinha lá também a palavra moita. Então tudo bem.

 

Resultado de imagem para se o caso é chorar plágio

Mas eu falei assim, puxa!, é uma ótima ideia fazer uma canção que seja toda plágio.  Comecei a pensar no assunto e me lembrei dessa harmonia , que é do Estudo número 2, do Chopin. Vocês já conhecem ela em outra música brasileira, a mesma coisa também, só a batida é diferente [trata-se de ´Insensatez´, do Tom Jobim. ]

 A harmonia é a mesma. Então, peguei essa harmonia e botei… A forma, eu me lembrei que Antonio Carlos e Jocafi, naquele tempo davam as regras do mercado nacional com aquele tipo de coisa: a primeira parte menor [harmonicamente falando], com a sintaxe da língua portuguesa mais ou menos estranha, pra ficar parecendo uma coisa tipo luz de boate, assim simbolicamente, metaforicamente, num precisava dizer nada, bastava ter uma dorzinha e tal, e amor por aqui, amor por acolá, então eu comecei a construir essa estrutura, que não quer dizer absolutamente nada, prestem atenção:


Se o caso é chorar, te faço chorar
Se o caso é sofrer, eu posso morrer de amor
Vestir toda minha dor, no seu traje mais azul
Restando aos meus olhos o dilema de rir ou chorar

— No fim, eu tinha chegado a botar assim: “…Deixando meus olhos vazados de tanto chorar”. 

A minha mulher disse: “Assim, também não, assim é esculhambação, ninguém vai te levar a sério. Olhos vazados de tanto chorar? Que diabo, você é louco? Tenha paciência…”. Aí mudei a letra e Perna, meu parceiro [Antonio Perna Fróes, pianista baiano ], tava aqui em São Paulo e me deu a ideia da segunda parte; Ele disse: “Tem uma música dos Beatles –dos Beatles, não, dos Rolling Stones, uma imitação dos Beatles daquele tempo – que fala um negócio mais ou menos assim, deixa sangrar meu peito, um negócio assim, aí ele deu a ideia:

Amor, deixei sangrar meu peito
Pra tanta dor, ninguém dá jeito
Amor, deixei sangrar meu jeito
Pra tanta dor, ninguém tem peito
Se o caso é chorar…

— Agora, a segunda parte é uma colagem, não tem nenhuma palavra minha. Tudo música dos outros, vejam se vocês descobrem, eu juntei músicas de sucessos dos outros :

(cantando)
Hoje quem paga sou eu (um tango de Nelson Gonçalves) , o remorso talvez (Lupicínio Rodrigues)
As estrelas do céu também refletem na cama
De noite na lama (Inversão de Caetano), no fundo do copo (Ary Barroso)
Rever os amigos (Adelino Moreira e Jair Amorim), me acompanha o meu violão (Nelson Gonçalves)
Amor deixei sangrar meu peito…

Imagem relacionada

Fonte: http://www.samba-choro.com.br/s-c/tribuna/samba-choro.0111/0372.html

Tom Zé, Estudando o samba: Som do VInil, Entrevistas a Charles Gavin

 

Anúncios

Sonho meu… Um dos maiores sucessos de D. Ivone Lara

Em abril de 2018 o Brasil perdeu D. Ivone Lara, uma das grandes referências do samba. Vinda de uma família muito vinculada à música, ela se viu orfã de pai aos 03 (três) anos e de mãe aos 16 (dezesseis)

 Teve que lutar para firmar-se como mulher compositora. Foi a  primeira mulher a ser da ala de compositores de uma grande escola de samba do Rio de Janeiro, a Império Serrano, em 1965, com o samba “Os cinco bailes da história do Rio”.  Só veio a lançar seu primeiro disco em 1974 (ela nasceu em 1921), quando se aposentou das atividades como funcionária pública.

Em sua biografia escrita por Mila Burns (2009), ela revela sua relação com a música desde pequena.

 “Fiquei emancipada por minha conta mesmo. Minha mãe morreu e ninguém ficou tomando conta de mim. Com idade de doze anos, eu que resolvia tudo, me guiava. Vou dizer uma coisa: foi muito bom, porque me fez ser como sou hoje. Tudo o que eu fiz a partir daí foi por decisão própria (…) Lembranças tristes às vezes vêm, mas eu sou guerreira;

Um dos seus maiores sucessos, e a música que a consagrou foi gravada em 1978, em parceria com Delcio Carvalho, cuja história é contada por Ruy Godinho, no livro “Então, foi assim?”

divulgação

Dona Ivone Lara e Delcio de Carvalho

Mila Burns afirma que D. Ivone não passava um dia sem cantarolar a melodia. Aquelas notas não saíam da cabeça, ela as repetia dia e noite. “Chamamos o amigo e disse: “Tenho essa melodia, e queria que você fizesse letra, mas queria que você tivesse alguma coisa a ver com sonho, porque até sonhando eu canto essa música. Foi numa época de muita tristeza, e só a música trazia inspiração mesmo. O Délcio fazia letras tristes, porque olhava para mim e sabia o que estava querendo dizer com as melodias que eu escrevia”.

“Sonho meu tem uma história interessante”, confiava Délcio. “Era meio-dia, o dia estava chuvoso e eu fui pra casa de D. Ivone, em Inhaúma. Eu estava com um negócio de mano meu, tio meu, vai buscar quem mora longe, que é muito usado no candomblé. E na época, estava sendo muito divulgada a campanha pela anistia ampla, geral e irrestrita de presos políticos brasileiros, que estavam exilados em outros países. Aí eu saquei intuitivamente sonho meu, sonho meu, vai buscar quem mora longe, sonho meu… Quer dizer, já botei o sonho como um substantivo, uma pessoa, uma entidade palpável. E dali eu continuei vai matar essa saudade, sonho meu/com a sua liberdade, sonho meu…Naquele dia mesmo”

Resultado de imagem para dona ivone lara

João Bosco e Aldir Blanc também sonhavam naquela época com a volta do irmão Henfil, com tanta gente que partiu num rabo de foguete…

“A Rosinha de Valença estava produzindo um show com a D. Ivone Lara e o MPB, num lugar chamado Carinhoso, em Ipanema. E lá pelas tantas, ela perguntou: “Você não tem uma música? Eu vou fazer uma produção para a Maria Bethânia e preciso de uma música pra eu botar no disco’. Aí a D. Ivone cantou Sonho Meu. Dias depois, houve uma festa na casa da atriz Zeny Pereira e foi todo mundo lá. Era tempo chuvoso, D. Ivone Lara cantou Sonho Meu, a Maria Bethânia estava lá, aprendeu e na noite seguinte colocou no disco, junta dela estava a Gal Costa que participou da gravação. Foi uma maluquice, uma doideira. Em quinze dias a música estava estourada no Brasil todo”, conta Délcio com entusiasmo.

A música acabou sendo um dos hinos que foram cantados como inspiração para a volta dos exilados políticos que vieram com a Lei de Anisitia, em 1979.

O dueto de Caetano Veloso e Odair José em 1973

Em 1973, em plena ditadura militar, a Música representava uma das mais fortes expressões dos sentimentos populares. Assim, em maio de 1973, realizou-se um festival no Palácio de Convenções do Anhembi, com o elenco da gravadora Phonogram (Universal), que tinha como contratados a nata da música popular brasileira. .

No festival, grandes momentos merecem registro: Elis, Gal e Bethânia juntas, Toquinho e  Vinícius, Gil e Chico com Cálice. Mas um momento chamou a atenção e vaias do público. Foi o dueto entre Odair José e Caetano Veloso, cantando a música “Eu vou tirar você desse lugar”, em que o eu-lírico revela o seu amor por uma prostituta e promete resgatá-la, mesmo diante das dificuldades e preconceitos que a situação ensejava.

 

Consta que a vaia no Anhembi foi fenomenal, sobretudo porque Odair José, que há pouco se tornara conhecido pela canção “Pare de tomar a pílula” (que na época causou revolta em setores conservadores do clero), era um representante de uma música considerada “brega” e “alienada”

 

 

Foi justamente a partir desta apresentação que Caetano cravou uma de suas frases emblemáticas: “Não há nada mais Z do que a classe A”.

 

Na gravação acima, não se percebem as vaias, eliminadas no processo de masterização que deu ensejo ao disco , que foi proibido pela censura .

 

Paulo Cesar de Aaraújo, no seu livro “Eu não sou cachorro não”, conta um pouco da história:

 

Caetano então resolveu radicalizar, convidando para seu palco aquele artista considerado o mais redundante, banal e comercial: Odair José. Anunciado como ‘uma noite incrível reunindo o maior espetáculo de música brasileira de todos os tempos’, o show de Caetano Veloso — com o convidado surpresa Odair José — foi o último da mostra Phono 73, que contou naquele mesmo domingo com apresentações de Gal Costa, Maria Bethânia, Nara Leão e outros. Espécie de ‘patinho feio’ incluído em uma festa que reunia a nata da MPB, Odair José não poderia deixar de causar reação em um público preso a preconceitos estéticos de sua formação de classe média.” (Paulo César de Araújo, em “Eu não sou cachorro, não”, de 2002).

 

 

Odair, para Paulo Cesar, conta a história da canção:

A história é a seguinte: o cara trabalhava o dia inteiro e ao final do dia, em vez de ir pra casa, ele passava ali para tomar um drinque e tal.
E com esse drinque começava um grande romance. No dia seguinte ele voltava para tomar um segundo drinque, e mais um terceiro,
porque já estava realmente apaixonado por alguém dali. Eu assisti muito isso. Porque ali se encontram moças extremamente dignas, e o fato de estar naquele trabalho é apenas uma opção ou circunstância da vida, porque às vezes você faz planos de vida e a vida muda seus planos.

Sobre a experiência e as vaias, ele conta:

Eu era o maior vendedor da Polygram, mas não estava ali entre a elite. Naquele momento foi um prazer estar com ele (Caetano), um homem muito inteligente, à frente de seu tempo. Mas foi, evidentemente, uma confusão, com vaias, porque eu era um objeto estranho naquele ambiente. Vaias a gente sempre leva na vida, mas aquela foi uma noite especial à qual talvez eu não tenha dado a devida importância” 

O episódio deixa bem claro o caráter tropicalista de Caetano, que através de sua postura conseguiu “legitimar” , ainda que tardiamente, muitas músicas não consumidas por uma chamada “elite” intelectual brasileira, que patrulhava e rotulava artistas. Tanto que foi Caetano que mostrou interesse em Odair, e não o contrário, como ele disse numa entrevista:

 

Como se deu esse encontro com o Caetano Veloso?

Soube através do André Midani (então diretor da gravadora Phonogram) que o Caetano gostaria de se apresentar comigo no Phono 73. Lembro que fretaram um avião para ir ao interior de São Paulo, se não me engano Piracicaba, onde ele estava se apresentando. Cheguei e o Caetano disse que gostava muito da música e queria cantá-la comigo. Tive uma boa impressão do Caetano que, por sinal, é um cara muito simples 

E como foi o show? As vaias o incomodaram?

Para mim era apenas mais um show em minha vida, não dei tanta importância ao fato até chegar ao palco. Fui muito bem recebido por Caetano mas ficou bem claro para mim a distância de estilos através da reação de parte do público. Nunca tive como meta atravessar o ”outro lado” da MPB, eu só sei fazer o que faço e pronto. Se é brega, popular ou outra coisa não me importo. Eu me lembro que diante das vaias, Caetano jogou o microfone no chão, falou alguma coisa sobre classe A e Z e saiu do palco. Eu permaneci no palco, não tinha porque sair de lá e cantei outras duas músicas” 

 

Curioso, por fim, é saber que há muitas entrevistas perguntando a Odair sobre o episódio, e bem poucas com Caetano…

 

Fontes:

Paulo César de Araújo, “Eu não sou cachorro, não”

http://rodrigomattar.grandepremio.com.br/2013/07/discos-eternos-phono-73-o-canto-de-um-povo-1973/

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1511200520.htm

http://caetanoendetalle.blogspot.com.br/2014/11/1973-vou-tirar-voce-desse-lugar.html

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/noticia/2016/10/23/odair-jose-lanca-gatos-e-ratos-e-recusa-rotulo-de-brega-257802.php

https://www.folhadelondrina.com.br/folha-2/entrevista-a-cafonalia-no-crivo-da-censura-492694.html

 

Todas as mulheres da canção “Sandra”, de Gilberto Gil

 

1976 foi um ano marcante na vida de Gilberto Gil. Durante uma turnê dos Doces Bárbaros a Florianópolis, ele foi flagrado com uma pequena quantidade de maconha, o suficiente para que fosse preso e processado pelo uso da droga.

em 15 de julho de 1976, Gilberto Gil foi condenado a 1 ano de prisão, tendo sua pena substituída por internação no Instituto Psiquiátrico São José, em Florianópolis, que durou 4 dias, depois com a transferência para a Clínica Psiquiátrica Botafogo, no Rio de Janeiro, onde passou mais um mês.

Resultado de imagem para gil refavela

Na clínica, ele compôs uma bela canção, “Sandra”, uma homenagem às mulheres com quem conviveu naquele período, até uma homenagem final à sua esposa na época, Sandra Gadelha.

Gil conta, no seu livro “Todas as Letras” quem era cada uma destas mulheres da canção, até a existência de uma outra “Sandra”, que justifica o título. Nas palavras de Gil:

 

Em 94, eu estava dando uma entrevista coletiva em Curitiba, quando uma moça entrou e disse: ‘Não se lembra de mim?’ Eu fiquei olhando, olhando, e ela então gritou: ‘Andréia na estréia!’ E eu: ‘Claro!’ Andréia era a menina que eu tinha conhecido, em 76, na passagem do show dos Doces Bárbaros pela cidade (antes de seguirmos para Florianópolis, onde eu fui preso por porte de maconha e posto em tratamento ambulatorial numa clínica, episódio em que a canção é baseada). Tínhamos ficado juntos na ocasião, e ela que me levou a um armarinho para comprar as fitas com que me enlaçou os cabelos trançados. Desde então nunca mais tínhamos nos reencontrado.”

*Resultado de imagem para gil todas as letras

“Todas as meninas mencionadas em Sandra foram personagens daqueles dias que eu vivi entre Curitiba e Florianópolis.

a) Maria Aparecida, Maria Sebastiana e Maria de Lourdes me atenderam no hospício durante o internamento imposto pela justiça enquanto eu aguardava o julgamento. A de Lourdes me falava a toda hora: ‘Você vai fazer uma música pra mim, não vai?’ ‘Vou’.

b) Carmensita: essa – foi interessantíssimo -, logo que eu cheguei, ela veio e me disse, baixinho: ‘Seja bem-vindo’.

c) Lair era uma menina de fora, uma fã que foi lá me visitar.

d) Salete era de lá: ‘Meu café é muito ralo’, me falou. ‘É exatamente como eu gosto, chafé’, respondi.

e) Cíntia: também de Curitiba, como Andréia. Quando passamos pela cidade, me levou ao sítio dela uma tarde; foi quem me deu uma boina rosa com a qual eu compareceria ao julgamento mais adiante, em Florianópolis, e com a qual eu apareço no filme Os Doces Bárbaros.

f) Ana: ficou minha amiga até hoje; de Florianópolis.

g)  Dulcina, que era a mais calada, a mais recatada de todas na clínica, a mais mansa – era como uma freira -, foi a única que um dia veio e me deu um beijo na boca.

“Sandra, citada no final da letra, era minha mulher, que preferiu não ir a Florianópolis e com a qual eu associei a ideia do hexagrama da torre, tirado no I Ching, um dos meus livros de cabeceira naquele período: a que tomava conta de tudo; onde eu estivesse, o seu olhar espiritual me acompanharia; seu ente se espraiaria, estendendo-se por todas as mulheres com quem eu convivesse. A ela as mulheres citadas na letra remetiam por representarem o feminino, a minha sustentação naquele momento.

Resultado de imagem para hexagrama 20 i ching
“Mas o que ninguém sabe, e que não se revela de nenhuma maneira na canção – o seu lado oculto -, é que há duas Sandras, a que é mencionada no fim e a do título, que não se refere à Sandra com quem eu era casado, mas a uma menina linda, maravilhosa, também chamada Sandra, que tietava o Caetano em Curitiba, amiga da Andréia – que me tietava.”

Eu admiro a ideia de como a referência à Sandra, quase mística, quase um símbolo, que mesmo longe serve de alicerce e de referência…

 

Imagem relacionada

Sandra
Gilberto Gil

Maria Aparecida, porque apareceu na vida
Maria Sebastiana, porque Deus fez tão bonita
Maria de Lourdes
Porque me pediu uma canção pra ela

Carmensita, porque ela sussurou: “Seja bem-vindo”
(No meu ouvido)
Na primeira noite quando nós chegamos no hospício
E Lair, Lair
Porque quis me ver e foi lá no hospício

Salete fez chafé, que é um chá de café que eu gosto
E naquela semana tomar chafé foi um vício
Andréia na estréia
No segundo dia, meus laços de fita

Cintia, porque, embora choque, rosa é cor bonita
E Ana, porque parece uma cigana da ilha
Dulcina, porque
É santa, é uma santa e me beijou na boca

Azul, porque azul é cor, e cor é feminina
Eu sou tão inseguro porque o muro é muito alto
E pra dar o salto
Me amarro na torre no alto da montanha

Amarradão na torre dá pra ir pro mundo inteiro
E onde quer que eu vá no mundo, vejo a minha torre
É só balançar
Que a corda me leva de volta pra ela:
Oh, Sandra

BRWMB9701874
© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá)

Ficha técnica da faixa:
voz e violão – Gilberto Gil
baixo – Moacyr Albuquerque
violão de aço – Perinho Santana
flauta – Jorginho
flauta – Celso
bateria – Paulinho Braga
percussão – Djalma
piano – Cidinho
coro – Ronaldo Boys
sax-soprano – Mauro Senise

Fontes: Gilberto Gil. Todas as Letras. Org. Carlos  Rennó,

“Pérola Negra, te amo, te amo”

A música perde muito com a morte de Luiz Melodia. Com uma voz inconfundível, é um daqueles cantores cujo timbre é difícil de se comparar. Nascido no Rio de Janeiro, no Morro de São Carlos ,ele aprendeu violão no instrumento de quatro cordas de seu pai.

Ele é um cantor difícil de classificar, transitando entre a bossa nova e a jovem guarda, ele vai muito além do samba. Além de compositor, um grande intérprete. Quero contar aqui um pouco da sua inspiração, numa entrevista dada a Ruy Godinho, e que fez parte do volume 3 do Livro “Então, foi assim?”, da Abravideo, editado em 2013:

Resultado de imagem para fatal a todo vapor

“Pois é rapaz, essa coisa pra mim é uma surpresa. Lembro quando eu era ainda jovem e descobri que compunha. Foi escandaloso, foi saboroso, né?  .Mostrava pra minha mãe, pros meus amigos, as primeiras melodias, as primeiras letras. Então é um processo que surpreende até o próprio compositor. É como o nascer de um filho. Não é um processo doloroso, é um processo em que você fica louco pra terminar logo o que você está fazendo, tanto a melodia como a letra” 

E continua:

“Daqui a pouco você não gosta mais de certas frases ou da melodia. Você para com tudo e pensa no que é que está errado. Mas depois quando a obra fica pronta, você se sente bem, relaxado, posso até dizer: livre – no bom sentido. Porque ela te obriga emocionalmente. É uma situação bacana, mas que te exige. É genial. Eu acho que criar é um privilégio de poucos”

A Resultado de imagem para "perola negra"  "luiz melodia" gaytrajetória musical de sucesso de Luiz Melodia começa por “Pérola Negra”, lançada por sua “madrinha” Gal Costa no show “Fa-Tal: Gal a todo vapor”, em 1972. Os amigos poetas Wally Salomão e Torquato Neto levaram uma composição de Luiz Melodia para Gal Costa. Ela adorou, gravou e a música virou um sucesso.

Numa entrevista no Fantástico, Luiz Melodia recordou a composição. “Pérola Negra é uma mulher. Mas tinha composto pra uma menina que eu namorava na época em que estava servindo o Exército. A mulher brasileira é uma fonte, posso dizer assim, de inspiração em cinquenta por cento das minhas composições”, disse.

Para o Jornal “o Dia”, em 2013, Melodia disse que compôs “inspirado por uma menina com quem eu saía quando tinha uns 18 anos. Mas eu era o segundo cara. Quando o namorado dela chegava, eu tinha que sair correndo pelos fundos”.

Quando se analisa a letra de Pérola Negra, percebe-se os sentimentos conflitantes, entre o “te amo” o “não sei se te amo”. Há um pedido, às vezes uma súplica do eu-lírico de que o objeto de desejo se coloque na sua posição, “passando o que ele está passando”, “usar a roupa que estou usando”.

Resultado de imagem para Waly salomão"perola negra"  "luiz melodia" gay

Tente passar pelo que estou passando
Tente apagar este teu novo engano
Tente me amar pois estou te amando
Baby, te amo, nem sei se te amo

Tente usar a roupa que eu estou usando
Tente esquecer em que ano estamos
Arranje algum sangue, escreva num pano
Pérola Negra, te amo, te amo

Rasgue a camisa, enxugue meu pranto
Como prova de amor mostre teu novo canto
Escreva num quadro em palavras gigantes
Pérola Negra, te amo, te amo

Tente entender tudo mais sobre o sexo
Peça meu livro querendo eu te empresto
Se inteire da coisa sem haver engano

Baby, te amo, nem sei se te amo
Baby, te amo, nem sei se te amo
Baby, te amo, nem sei se te amo

 

“How do you sleep”: de John para Paul

 

É absolutamente natural que o fim de uma banda decorra de um desgaste nas relações pessoais entre seus membros.

É normal também, de igual modo, que após a dissolução do conjunto, haja ressentimento nas relações pessoais entre os ex-integrantes da banda.

Vez ou outra os ressentimentos decorrentes do fim da banda se transformam em canções. Naturalmente polêmicas.

E quando se trata da maior banda de rock de todos os tempos?

Todos sabem que o fim dos Beatles acarretaram um afastamento, para não dizer rompimento, entre John Lennon e Paul McCartney. E daí veio a polêmica.

Tudo começou quando Paul gravou o disco “RAM”, sendo que em diversas músicas haveria indiretas (após a morte de John, Paul confirmou algumas dessas “alfinetadas”), tanto a John Lennon quanto a Yoko Ono. Pode-se citar a canção “Too many people”, “The Back Seat Of My Car” e “Dear Boy”.

Na canção Too many people, lançada por Paul, há uma crítica a pessoas que tentam doutrinar as outras

 “Havia uma pequenina referência a John na coisa toda. Ele estava fazendo um monte de pregação.”

 

Na mesma entrevista ele ainda conta: “O trecho “Too many people waiting for that lucky break/ That was your first mistake/ You took your lucky break/ And broke it in two/ Now what can be done for you?/ You broke it in two” (Um bocado de gente esperando por uma boa oportunidade/ Esse foi o seu primeiro erro/ Você pegou a sua oportunidade/ E a partiu no meio/ Agora, o que pode ser feito por você?/ Você a partiu no meio) também foi pra John”.

 

Resultado de imagem para paul mccartney ram

Em resposta, John, no seu disco Imagine, incluiu a música “How do you sleep?”, expressamente dirigida a Paul McCartney.

O sentimento que se percebe nessa gravação é que Lennon se sentiu atacado por McCartney, com quem tinha discutido muito no último estágio dos Beatles. Consta que N Ringo Starr visitou o estúdio durante a gravação da música e teria ficado chateado com a situação, dizendo. “Pare com isso, John !!!”

Tempo após a dupla de sucesso Lennon e McCartney se reconciliaram e foram tão bons amigos como antes …

Se analisarmos a letra percebemos a raiva e a picardia comque Lennon escreveu uma carta cheia de ironia misturada com raiva.

“So Sgt. Pepper took you by surprise”, numa referência ao revolucionário disco dos Beatles, Sgt. Pepper Lonely Hearts club Band.

Mais adiante, faz referência aos boatos de que Paul teria morrido em 1966 “Those freaks was right when they said you was dead“, complementando que o único erro de Paul está na sua cabeça (“The one mistake you made was in your head”)

Critica Paul, por andar rodeado de gente certinha que dizem ser ele (Paul) o Rei, (“You live with straights who tell you you was king”), e faz em seguida um jogo de palavras. Diz que a única coisa que ele fez foi “Yesterday”, que pode ser uma referência tanto à canção “Yesterday”, como ao passado, dizendo que tudo que ele fez foi ontem… John, em entrevistas, chegou a dizer que Yesterday tinha sido o primeiro trabalho solo de Paul.

Resultado de imagem para john lennon imagine

Em seguida, faz uma piada com outra canção de Paul, já na carreira solo, dizendo que desde que ele se foi era outro dia (“another day”), numa clara referência à canção “Another Day”.

Conclui que a música de Paul é como “música de elevador” (muzak) para seus ouvidos, e que ele deveria ter aprendido alguma coisa depois de tantos anos.

As referências foram tão expressas que Ringo recusou-se a tocar bateria nesta canção. George Harrison, no entanto, não hesitou em tocar a guitarra solo na canção.

Em várias oportunidades, John foi questionado sobre a canção. Vale a pena citar três dessas referências:

Eu ouvi as mensagens de Paul em Ram – sim, elas existem, caro leitor! Muitas pessoas vão para onde? Perdemos qual nossa sorte? Qual foi o nosso primeiro erro? Não pode estar errado? Huh! Quero dizer, Yoko, eu e outros amigos não podem estar ouvindo coisas. Então, para nos divertir, devo agradecer Allen Klein publicamente pela linha ‘apenas mais um dia’ (Just another day). Um verdadeiro poeta! Algumas pessoas não veem o lado engraçado disso. Muito ruim. O que eu devo fazer, causar riso? É o que se pode chamar de uma “carta furiosa ‘, cantado – sacou? (Crawdaddy magazine)

Noutra entrevista junto com Yoko Ono, dada a david Sheff, John fez referência à canção Like a rolling stone,de Bob Dylan, de que maneira as pessoas usam alguém como objeto para criar alguma coisa.

Eu não estava realmente sentindo algo prejudicial no momento, mas eu estava usando o meu ressentimento em relação a Paul para criar uma canção. Vamos colocar dessa maneira. Foi apenas um estado de espírito. Paul tomou-o daquele jeito porque ela obviamente, claramente se refere a ele, e as pessoas só o perseguem, perguntando-o: “Como vocês se sentem sobre isso? ‘ Mas houve algumas pequenas coisas obscuras em seus álbuns, que ele mantinha. Então eu pensei, bem, deixe de ser obscuro! Eu vou ir direto ao âmago da questão”.

 

Na entrevista abaixo, ele admite que “How do you sleep” foi uma resposta ao que Paul disse em RAM:

 

 

Numa entrevista para Andy Peebles em 6 de dezembro de 1980, quatro dias antes de sua morte. Ele recorda:

Eu usei meu ressentimento contra Paul, que eu tenho como uma espécie de rivalidade entre irmãos, ressentimento da juventude, para escrever uma canção Era uma rivalidade criativa … Não foi uma vingança cruel … mas eu senti ressentimento, então eu usei. 

 A música ficou, a rivalidade não durou tanto. John e Paul, depois dos Beatles, nunca mais foram próximos…

 

 

So Sgt. Pepper took you by surprise

You better see right through that mother’s eyes

Those freaks was right

When they said you was dead

The one mistake you made was in your head

Ah, how do you sleep?

Ah, how do you sleep at night?

 

You live with straights who tell you you was king

Jump when your momma tell you anything

The only thing you done was yesterday

And since you’re gone you’re just another day

Ah, how do you sleep?

Ah, how do you sleep at night?

 

Ah, how do you sleep?

Ah, how do you sleep at night?

 

A pretty face may last a year or two

But pretty soon they’ll see what you can do

The sound you make is muzak to my ears

You must have learned something in all those years

 

Ah, how do you sleep?

Ah, how do you sleep at night?

Fontes: http://beatlescollege.wordpress.com/2011/03/22/a-briga-musical-entre-john-lennon-e-paul-mccartney/;

http://www.songfacts.com;

http://www.beatlesbible.com/people/john-lennon/songs/how-do-you-sleep/

Sheff, David, A última entrevista do casal John e Yoko. Trad. Vania Cury, Ediouro,

https://www.dtudoumpoucoblog.com/single-post/2016/09/07/A-hist%C3%B3ria-por-tr%C3%A1s-da-can%C3%A7%C3%A3o-How-do-You-Sleep-do-John-Lennon-e-Too-Many-People-do-Paul-McCartney

domingo 14 julho 2013 08:54 , em Beatles

 

Tô Voltando – Paulo César Pinheiro ( A canção da volta dos Exilados)

Uma música pode ser feita com um sentido e um propósito, mas quando ela sai para o mundo e ganha seu público, ela pode adquirir uma conotação bem diferente daquela imaginada por seu compositor. Tenho certeza que Milton Nascimento não esperava, por exemplo, que “Coração de Estudante” viraria um hino da redemocratização do país, em 1984.

Uma das músicas que ganhou essa importância e repercussão foi “Tô Voltando“, de Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós. A música, que é como uma carta do homem para sua mulher, ele está distante, viajou, e está pedindo que ela prepare a casa e se prepare para sua chegada

O Homem elenca uma série de coisas que ele gosta, desde o feijão preto, a cerveja Brahma, o chinelo na sala, a casa cheia de flor…

Passa em seguida a dizer de que maneira gosta de sua mulher sensual, com camisola nova, crianças e empregadas longe, quer que ela pegue uma cor e arrume o cabelo só para ele despentear e esquecer de tudo.

Na verdade, a música foi feita a partir de uma ideia de Maurício Tapajós, cansado das viagens depois de uma turnê de mais de um mês no Nordeste, que estava com saudade de casa, e começou o mote da canção “Tô voltando”.

Resultado de imagem para mauricio tapajósMauricio Tapajós

No entanto, na internet muita gente acha que essa música, ou foi composta por Chico Buarque, ou foi composta para Chico Buarque. Explico.

O ano era 1979, e o Brasil estava na campanha de Anistia dos exilados políticos da ditadura. Anistia que acabou saindo. E adivinha que música os primeiros exilados cantaram quando chegaram em solo nacional? Tô voltando!!! E como muitos identificam canções de combate à ditadura com Chico Buarque, muitos pensam hoje que a música é dele.  Paulo César conta isso no seu “História das minhas canções”  (Leya, 2010). O vídeo vem na voz de Simone, que eternizou o sucesso.

Resultado de imagem para paulo cesar pinheiro história das canções

TÔ VOLTANDO

Maurício (Tapajós)…me ligou pra falar sobre uma ideia que tivera no caminho de volta. Cansado da tensão de palco (sem o hábito de cantar pra o público) e de tanta farra, bateu nele, já no finalzinho, uma saudade imensa de casa, da mulher, dos filhos, do Leblon, do Rio. E de Tapajós pra Tapajós ele dizia, às vésperas do retorno:

– Nem acredito que eu tô voltando…

E esse mote não o abandonou mais. Só podia dar samba… Com o violão na mão e o fone preso entre o ombro e a orelha cantarolou pra mim rascunho da melodia em que se repetia o “tô voltando”.

– Quê que você acha, parceiro?

-Acho ótimo, gordo. Tô indo pra aí. Ainda aguentas mais um uísque?

Passamos o resto do dia dando a forma à composição.

Na manhã seguinte, já em meu escritório, fui burilando a letra. Era simples e popular a canção e os versos foram fluindo. Eu, que já passara tanto por isso, tantas as viagens que fizera, enormes as saudades de casa, sabia bem do assunto que devia abordar. O papo era recorrente à nossa profissão.Toda a classe artística sentia profundamente essa ânsia de regresso depois de cada temporada. E todos queriam as mesmas coisas que eu rabiscava agora naquele samba. Ficou lindo o que agente fez, e cheio de empatia.Era cantar uma vez e na segunda todos acompanhavam.Virava logo coro. Fácil de decorar. Senti imediatamente cheiro de sucesso.

Imagem relacionadaPaulo César Pinheiro


Simone estava escolhendo repertório para seu disco anual. Mostramos pra baiana. Ela veio que veio:

– Esse é meu!

Foi pro estúdio e arrebentou. Era 1979, e o samba ganhou o Brasil. Só dava ele nas rádios, “Estourou no Nordeste!” era a expressão bem-humorada que se usava na época, para designar a música que ganhava as paradas nacionalmente.

 

Resultado de imagem para simone tô voltando

Agora vocês vejam como a arte tem seus mistérios…

Pouco tempo depois, estava eu vendo o jornal nacional da TV Globo cujo tema central era o dia do retorno dos exilados políticos ao nosso país, tendo sido conquistado, com muita luta doa que ficaram encarando o regime militar, a anistia ampla, geral e irrestrita, quando, pra minha surpresa, no avião lotado por nossos companheiros, entre entrevistas e choros ao vivo, entoou-se, numa só voz, o “Tô voltando”. A cena foi uma pancada no meu coração.

A emoção tomou conta de mim e as lágrimas correram no meu rosto. Minha voz embargou. Os pelos eriçaram. Estufavam as veias e os nervos retesavam.

Tive que respirar fundo e sair da frente da tevê pra não enfartar.

A música tinha tomado outra conotação a partir dali. Virara o hino dos exilados. E é assim que é vista até hoje, pra meu regozijo. E é assim que pensam que ela foi feita, pra minha satisfação. O que mostra que o destino das canções não está em nossas mãos. Elas são o que elas quiserem ser, acima dos motivos por que foram feitas. Que bom que ela tenha virado o que virou.


Ergo um brinde a isso. Sempre.

sexta 01 outubro 2010 13:05 , em Samba