Empty Garden: Uma homenagem de Elton John para John Lennon

Eu ainda era muito jovem para compreender o significado daquele acontecimento em 8 de dezembro de 1980, data em que morreu o Beatle John Lennon, assassinado na porta de sua casa, em Nova Iorque.

Elton John era amigo de John Lennon. Eles realizaram um dueto, em 1974, com Whatever Gets You Through The Night, e além disso, Elton John é padrinho de Sean, um dos filhos de John Lennon.

Resultado de imagem para empty garden "john lennon"

Certo dia, Elton John, ao passar pelo lugar onde John Lennon fora assassinado, percebeu que o jardim de sua casa estava vazio, sem flores, sem verde. Assim começou a nascer a música  Empty garden, parceria de Elton John e Bernie Taupin, gravada em 1981. A letra da música, com sua tradução, falam por si.

Resultado de imagem para empty garden "john lennon"

John Lennon é comparado a um jardineiro, e que depois de sua morte, deixa um jardim vazio. Pode ser o jardim da casa de John Lennon, que após sua morte, ficou descuidado. Pode ser o Madison Square Garden, em Nova Iorque, onde John e Elton fizeram seu famoso dueto. No viedo abaixo, Elton john conta porque canta poucas vezes essa cançaõm,

 

Empty Garden (Hey, Hey Johnny)

What happened here,

As the New York sunset disappeared?

I found an empty garden among the flagstones there.

Who lived here?

He must have been a gardener that cared a lot,

Who weeded out the tears and grew a good crop.

And now it all looks strange.

It’s funny how one insect can damage so much grain.

 

And what’s it for,

This little empty garden by the brownstone door?

And in the cracks along the sidewalk nothing grows no more.

Who lived here?

He must have been a gardener that cared a lot,

Who weeded out the tears and grew a good crop.

And we are so amazed! We’re crippled and we’re dazed…

A gardener like that one, no one can replace.

 

And I’ve been knocking, but no one answers.

And I’ve been knocking, most all the day.

Oh, and I’ve been calling “Hey, hey, Johnny!”

Can’t you come out to play?

 

And through their tears,

Some say he farmed his best in younger years.

But he’d have said that roots grow stronger, if only he could hear.

Who lived there?

He must have been a gardener that cared a lot,

Who weeded out the tears and grew a good crop.

Now we pray for rain, and with every drop that falls…

We hear, we hear your name…

 

And I’ve been knocking, but no one answers.

And I’ve been knocking, most all the day.

Oh and I’ve been calling ,oh hey, hey, Johnny!

Can’t you come out to play,

In your empty garden?

Johnny?

Can’t you come out to play, in your empty garden?

 

 

Jardim Vazio (Ei, Ei, Johnny)

O que aconteceu aqui,

enquanto o pôr-do-sol de Nova Iorque desaparecia?

Eu achei um jardim vazio, entre as lajes ali.

Quem viveu aqui?

Ele deve ter sido um jardineiro que se preocupava,

Que arrancou as lágrimas e cultivou boa colheita.

E agora tudo parece estranho.

É engraçado como um inseto estraga tanto a semente.

 

E para quê, este pequeno jardim vazio

jardim vazio perto da porta de arenito?

E nas rachaduras da calçada nada mais cresce.

Quem morou aqui?

Ele deve ter sido um jardinheiro muito preocupado,

Que arrancou as lágrimas e cultivou boa colheita.

E estamos tão surpresos! Estamos paralizados e aturdidos…

Um jardineiro assim, ninguém pode substituir.

 

E eu estou batendo, mas ninguém responde.

E eu estou batendo, a maior parte do dia.

Oh, e eu estou chamando: “Ei, ei, Johnny!”

Você não pode sair para tocar?

 

E através das suas lágrimas, alguns dizem

que ele cultivou seu melhor na juventude.

Mas ele disse que as raízes crescem mais fortes, se ao menos pudesse ouvir.

Quem viveu ali?

Ele deve ter sido um jardineiro muito preocupado,

Que arrancou as lágrimas e cultivou boa colheita.

Agora rezamos para chover, e cada gota que cai…

Nós ouvimos, nós ouvimos seu nome…

 

E eu estou batendo, mas ninguém responde.

E eu estou batendo, a maior parte do dia.

Oh, e eu estou chamando, oh ei, ei Johnny!

Você não pode sair para tocar,

em seu jardim vazio?

Jhonny?

Você não pode tocar, em seu jardim vazio?

 

terça 01 junho 2010 12:55 , em Musica Internacional

Anúncios

Billie Jean

Não preciso dizer aqui – quase todo mundo sabe – que Thriller, de Michel Jackson, é o álbum mais vendido de todos os tempos, tendo vendido mais de 100 milhões de cópias. Foi com Thriller que Michael se tornou a maior estrela pop do final do século XX. Uma das formas mais importantes para a divulgação do álbum eram os videoclipes, que, para a época, eram absolutamente revolucionários. Destacam-se “Thriller”, “Beat it” e “Billie Jean”.

Image result for billie jean

 O mais interessante é que “Bille Jean” quase não entra no álbum. Narra J. Randy Tarraborreli, numa bem escrita biografia sobre Michael Jackson ( Globo, 2005), que Quincy Jones (que produziu o disco) não a considerava forte o bastante para entrar no álbum, tendo Michael de insistir, discutior e até brigar com Jones para que a música fora incluída. Quincy chegara a sugerir a mudança de título, para que a canção se chamasse  “Not my lover”. Prevaleceu a vontade de Jackson, e ainda me lembro dos passos e dos quadrados no chão acendendo aos Passos de Michael Jakson. Um clipe histórico.

 Randy Tarraborreli conta um pouco de como essa canção fora feita, a partir de uma fã obcecada que mandava cartas a Michael, dizendo ser mãe de um filho dele. Eis a história, de um trecho extraído do livro:

 Image result for randy taraborrelli michael jackson

Sombria e cadenciada, conforme os padrões de produção de Quincy Jones, “Billie Jean” usava a mesma batida rítmica dos predadores em suas incursões de caça. Essa canção perturbadora foi escrita por Michael com base no tema de uma garota que o acusa de ser pai de seu filho. Os casos extraconjugais de Joseph Jackson e sua filha Joh’Vonie devem ter-lhe ocorrido enquanto elaborava a letra dessa música. Além disso, Michael tinha passado por uma experiência que tinha servido de catalisador em “Billie Jean”.

Em 1981, uma fã escreveu para informá-lo de que ele era pai de seu filho. Ela mandara fotos suas e do bebê junto com a carta – uma mulher negra jovem, muito atraente, de vinte e poucos anos, que ele nunca tinha visto. Michael, que costumava receber frequentemente cartas desse teor, ignorou essa da mesma maneira que todas as outras. A moça dizia que o amava e que queria ficar com ele. Escreveu dizendo que não conseguia parar de pensar nele, e o quanto a deixaria feliz criarem juntos o filho que haviam tido. Evidentemente, era uma pessoa desequilibrada.

 Nos meses seguintes, Michael continuaria recebendo dúzias e dúzias de cartas semelhantes, enviadas pela mesma moça. Numa delas, ela dizia que o seu bebê tinha olhos iguais ao dele e perguntava como ele era capaz de ignorar o seu próprio sangue. Não demorou muito para que Michael começasse a ter pesadelos por causa dessa situação. Ficou obcecado com a mulher, perguntando-se onde estaria, quando apareceria no portão de sua casa, o que ele faria se isso acontecesse. Para algumas pessoas da família, parecia que ele tinha se tornado tão obcecado por ela quanto ela por ele.

Um dia, Michael recebeu um pacote enviado por ela. Quando o abriu, encontrou uma outra fotografia: a de sua formatura no colegial. Nessa foto, ela estava sorrindo em toda a sua juvenil inocência. Também na caixa ele encontrou uma arma. Havia um bilhete: ela pedia que Michael se matasse num determinado dia, numa determinada hora, e dizia que faria o mesmo – logo depois de matar o bebê. Acrescentava que, se eles três não poderiam ficar juntos nesta vida, então talvez se reunissem na próxima. Michael ficou horrorizado. Pegou a foto, mandou emoldurar e colocou numa mesinha de café na sala de jantar, para a grande aflição de Katherine. ‘Meu Deus, e se ela de repente aparece aqui?’, dizia ansiosamente. ‘O que faremos? Tenho de lembrar desse rosto. Só por garantia. Não posso jamais esquecer desse rosto.’

 
Essa moça nunca apareceu no portão dos Jackson. Na realidade, ele depois ficou sabendo que a pobre jovem foi internada num hospital psiquiátrico”

É certo, porém, que em entrevistas, Michael Jackson, afirmou que “Billie Jean” foi baseado nas “Groupies” que ele e seus irmãos encontraram quando faziam parte do The Jackson 5

Curiosidade 1 – Na sua autobiografia Moonwalk  , Jackson disse que Quincy Jones queria mudar o título para “Not My Lover”, porque ele pensou que seria confundido com a tenista Billie Jean King. Jackson acabou vencendo essa batalha.

Curiosidade 2 – Na mesma biografia, Michael relata que estava realmente absorvido naquela canção. Um dia, durante uma pausa em uma sessão de gravação ele estava circulando pela Ventura Freeway com Nelson Hayes, que estava trabalhando com ele nas gravações. Ele estava absolutamente concentrado na canção, quando um  jovem numa motocicleta o advertiu : “seu carro está pegando fogo.” De repente,  Michael percebeu que toda a parte inferior da Rolls-Royce estava em chamas. Ele disse estar tão absorvido por esta música flutuando em suca cabeça que ele nem percebeu o fogo.

Curiosidade 3 – Foi em Billie Jean que Michael Jackson executou o famos passo “Moonwalk”, pela primeira vez, eno especial de 25 anos da Motown (Motown 25: Yesterday, Today, Forever), no dia 25 de março de 1983 

 

 

terça 27 abril 2010 01:31 , em http://www.musicaemprosa.musicblog.com.br